Clicky
Marca do Crea-AP para impressão
Disponível em <https://creaap.org.br/noticia_antiga_250/>.
Acesso em 29/06/2022 às 03h21.

Papel das organizações de classe é debatido durante o congresso

23 de agosto de 2006, às 12h33 - Tempo de leitura aproximado: 1 minuto

Dando continuidade a programação da 63ª SOEAA, aconteceu, na manhã desta quarta-feira (23), o painel sobre o Papel das Organizações no Pensar Brasil – Construir o Futuro da Nação, no Teatro do Centro de Convenções. Na oportunidade foi destacada a necessidade do compartilhamento do projeto entre as instituições de classe e o aprofundamento do programa nos próximos anos.
O assunto foi discutido pelo engenheiro elétrico Luiz Carlos Soares, engenheiro de segurança Francisco Machado e o engenheiro Paulo Alvin. Luiz Carlos fez uma explanação sobre o funcionamento do Sistema Confea/Crea, e esta nova atribuição nas questões sociais, que extrapola os limites profissionais, numa parceria conjunta com a sociedade, sobretudo junto às associações e sindicatos para dinamização do Pensar o Brasil. “Este é um projeto que deve ser levado por muitas mãos”, frisou.
Luiz Carlos também falou do desafio de elaborar o documento em tempo reduzido para entrega-lo aos presidenciáveis como sugestão administrativa. Lembrou que o assunto foi amplamente discutido nos cinco seminários regionais do Sistema Confea/Crea. “Temos a clareza que esse não é um projeto definitivo, que não é melhor projeto, que precisamos aperfeiçoa-lo com o tempo, mas que temos que cumprir o dever enquanto entidades e cidadãos. Este é o nosso desafio”.
O engenheiro Francisco Alvim reforçou a necessidade de se manter uma dinâmica constante das discussões junto aos parceiros na definição de prioridades das políticas públicas. Ele lembrou da responsabilidade do setor tecnológico, que reúne em torno de 800 mil profissionais, e responde por 70% do PIB nacional.
Ainda destacou que é preciso dar continuidade ao processo constituinte do Sistema Confea/Crea. “Precisamos não somente pensar para fora, mas também internamente”. O engenheiro Paulo Alvin encerrou a programação, conclamando uma maior união das instituições na defesa dos interesses e do desenvolvimento da nação.