Clicky
Marca do Crea-AP para impressão
Disponível em <https://creaap.org.br/noticia_antiga_809/>.
Acesso em 29/06/2022 às 04h08.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UNE COORDENADORES NACIONAIS DE CÂMARAS ESPECIALIZADAS

12 de março de 2009, às 12h37 - Tempo de leitura aproximado: 3 minutos

Tendo como meta comum colocar em prática, até agosto, a Resolução 1010 – que trata da concessão de atribuições profissionais –, os coordenadores têm a missão de detalhar o plano de metas individuais e associadas do fórum, integrado pelo Planejamento Estratégico do Sistema Confea/Crea, para o período 2009/14.

A meta associada à Resolução 1010 se soma às outras nove já traçadas pelas coordenadorias. Entre elas, o plano de acompanhamento da implantação do modelo de ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), Acervo Técnico e SIC-ART, até novembro próximo; a que atualiza as diretrizes dos manuais de fiscalização até agosto, e ainda, a que define conteúdos para o centro de treinamento e capacitação do pessoal corporativo.

A definição da décima meta atendeu sugestão do presidente do Confea, Marcos Túlio de Melo, em função das mudanças que a resolução provocará no sistema de concessão de atribuições. “A criação de metas associadas é fundamental para a operacionalização da Resolução 1010”, defendeu.

Assistidos por técnicos das comissões permanentes do Confea, por Vinício Duarte e Edison Macedo, da Assessoria de Planejamento, por Edson Mello, gerente de Tecnologia e Modernização, pela conselheira federal Iracy Silvano, tendo à frente Alceu Molina, Superintendente de Integração do Sistema, os coordenadores assumiram o compromisso de se alinharem ao planejamento estratégico.

Reunião alinha eixos, metas e objetivos

Ao abrir os trabalhos, Marcos Túlio de Melo informou que o tema está sendo tratado no âmbito dos cinco fóruns do Sistema: Coordenadorias de Câmaras, Colégio de Presidentes, Colégio das Entidades Nacionais, Comissões do Confea e Mútua, caixa de assistência dos Creas.

Ele pediu a colaboração para que os coordenadores “continem o trabalho de iniciado em fevereiro último, quando do Encontro de Lideranças, definindo e priorizando as ações que colocarão o planejamento em prática, buscando o alinhamento para alcançar as metas relacionadas aos eixos e objetivos traçados”.

Para o presidente do Confea, o Planejamento Estratégico – processo iniciado em 2007 – “atingiu um grau de maturidade interessante mas apresentou resultados aquém dos esperados em 2008”. Ele acredita que o Planejamento precisa de ajustes e atualização até mesmo diante do quadro econômico que se desenha à frente em função da crise financeira internacional.

“Agrupar, avaliar, enxugar e priorizar as metas para 2009 é mais que necessário, é preciso, assim como definir ações que possam ser executadas, dentro da realidade de cada um e do conjunto”, enfatizou Túlio de Melo.

Visando “dar um salto de qualidade nos serviços de fiscalização prestados a sociedade”, os coordenadores analisam a possibilidade de que ações coordenadas de fiscalização, em âmbito nacional, sejam feitas em locais públicos como escolas e hospitais, por exemplo, verificando itens de segurança e acessibilidade, entre outros.

Os coordenadores também voltam suas atenções para o novo plano habitacional a ser anunciado pelo governo que projeta a construção de um milhão de casas para famílias com renda mensal de até quatro salários mínimos, entre 2009 e 2010.

Na visão de Marcos Túlio de Melo, “é preciso que a fiscalização fique atenta à apresentação de projetos para que essas construções não acabem criando problemas futuros, inclusive para a própria população”.

Ações de fiscalização integrada: desafio

O presidente do Confea sugeriu aos coordenadores que tomem a iniciativa de planejar, de uma a três ações, com as diretrizes necessárias para a realização de fiscalizações preventivas integradas “mostrando ao consumidor a importância do trabalho da fiscalização”.

Diante do universo de possibilidades de fiscalizar áreas que abrangem da pesca industrial à indústria de laticínios, sem contar a engenharia civil – alvo mais visado das fiscalizações -, os coordenadores nacionais de Câmaras Especializadas se mostraram dispostos a colaborar com as propostas colocadas mas apresentaram suas limitações tanto de infra-estrutura quanto de pessoal para atender a demanda.

Ao lembrar que os recursos do Prodafisc somam este ano R$ 3.300 milhões, Marcos Túlio de Melo, se comprometeu a apoiar todas iniciativas das câmaras visando o aperfeiçoamento da fiscalização e a implantação da Resolução 1010.

Fonte: Maria Helena de Carvalho
Equipe de Comunicação do Confea