Clicky
Marca do Crea-AP para impressão
Disponível em <https://creaap.org.br/noticia_antiga_814/>.
Acesso em 25/09/2022 às 15h14.

ENGENHEIRO CALCULISTA PREPARA LANÇAMENTO DE LIVRO

16 de março de 2009, às 7h53 - Tempo de leitura aproximado: 1 minuto

A história da engenharia do Rio Grande do Norte ganha uma valiosa contribuição com o livro A Trajetória de um Calculista de Estruturas, escrito pelo engenheiro e professor universitário, José Pereira. O livro será lançado no próximo dia 24, no auditório da UFRN, com apoio do CREA-RN.

Com larga folha de serviços prestados a engenharia potiguar, José Pereira foi responsável pelo cálculo estrutural de obras destacadas no estado, como, o estádio Machadão, Catedral de Natal, Ponte de Igapó, Ginásio Machadinho, Presépio de Natal, Ginásio da Zona Norte, Capitania das Artes, Ginásio do SESI/SENAI, e mais recentemente, a Ponte Forte-Redinha, entre muitas outras edificações. Algumas dessas construções tiveram projeção internacional diante da beleza, leveza e arrojo estrutural.

No seu livro, José Pereira aborda com riqueza de detalhes, assuntos ligados ao ensino, o projeto, a execução, a recuperação e o reforço de estruturas de concreto armado. Um material valioso com registro da experiência acumulada em quase 50 anos de atividades profissionais, mantendo presença marcante nas grandes obras de engenharia em solo norte-rio-grandense.

O livro é ao mesmo tempo memorial e técnico. Numa leitura fácil, o professor José Pereira, resgata o universo das estruturas de engenharia. Partindo dos tempos de infância, adolescência, acadêmico no Recife (PE) e a atuação como engenheiro estrutural, o autor vai penetrando nos meandros do cálculo e o mundo maravilhoso das estruturas na construção urbana.

Trazendo ainda farta documentação fotográfica, o autor dedica alguns capítulos a evolução histórica do cálculo estrutural. Dá uma volta no tempo, quando os elementos estruturais constituintes eram calculados isoladamente, num processo manual repetitivo e detalhado, ele passa pelo uso das réguas de cálculo, e depois as “revolucionárias” máquinas Facit até chegar à era da informática. Nesse ponto, o professor faz uma análise crítica sobre o uso indevido dos avançados programas de cálculo de estruturas disseminados pela informática.

Indicado para estudantes, profissionais e interessados no assunto.