Clicky
Marca do Crea-AP para impressão
Disponível em <https://creaap.org.br/noticia_antiga_835/>.
Acesso em 26/11/2022 às 13h27.

HOJE É O DIA DO CARTÓGRAFO

6 de maio de 2009, às 3h34 - Tempo de leitura aproximado: 3 minutos

Hoje (06) é comemorado o dia do cartógrafo. Para registrar a data, A equipe de comunicação do Confea foi ao Quartel General do Exército, em Brasília, e ao Centro de Imagens e Informações do Exército (CigEx), acompanhar um projeto que pode resgatar o papel da cartografia como indutora do desenvolvimento nacional. Trata-se da implantação do Sistema Cartográfico Amazônico, chamado entre os militares de radiografia da Amazônia.

Na prática, o Exército trabalha registrando fotografias aéreas, que, posteriormente, serão tratadas e estudadas com o objetivo de confeccionar mapas na escala de 1:50.000 e de 1:100.000. Estima-se que cerca de 700 mil Km2 serão fotografados esse ano.

Segundo o general Pedro Ronalt Vieira (Eng. Militar/Cartógrafo), da Diretoria de Serviços Geográficos, a intenção é reduzir o enorme vazio cartográfico existente na Amazônia, mas existem dificuldades para a realização do projeto. “Há dias em que as condições meteorológicas impedem o voo das aeronaves. Quando há nuvens, as fotografias não servem. Mas já temos 270 mil Km2 fotografados”.

Vinte equipes do Exército trabalham sobrevoando o território amazônico de Norte a Sul e de Oeste a Leste. Equipes em terra instalam refletores, espécies de prismas que ficam bem evidentes nas fotografias, espalhados a cada 300 metros, o que possibilita a demarcação de pontos geográficos precisos.

Estimativa de cobertura vegetal

A tecnologia Polinsar, como é chamada, utiliza uma banda de frequencia que consegue enxergar a topografia do terreno. “A visão da foto tirada com essa tecnologia ultrapassa a copa das árvores e chega ao solo, o que nos mostra exatamente como é o terreno amazônico, diferentemente das tecnologias anteriores”, explica o Major Correia, um dos especialistas do projeto.

Comparando-se os mapas novos com os anteriores, é possível calcular a altura da vegetação e saber exatamente que áreas são cobertas com determinadas espécies vegetais. “Isso permitirá que o governo estabeleça políticas de desenvolvimento sustentável da Amazônia”, explica o general Ronalt.

Mapoteca: 600 mil cartas

Todas as fotografias serão avaliadas num pavilhão que está sendo preparado no Centro de Imagens e Imagens do Exército, em Brasília. Lá, funcionará um banco de dados que será utilizado estrategicamente pelo país.

O Cigex, atualmente, conta com 33 militares trabalhando na Subchefia Técnica da instituição. Lá as subchefias de vetorização, processamento de imagem, edição, validação e carga de dados e de levantamento fazem uma atualização constante das cartas produzidas no país, por diversas instituições, ao longo das décadas. A mapoteca do centro possui 600 mil cartas.

Engenharia cartográfica

Segundo a Universidade Estadual Paulista, a engenharia cartográfica é a área da engenharia que se ocupa da aquisição, processamento, representação e análise da geo-informação nas formas analógica e digital.

No Brasil, apenas seis instituições possuem o curso de engenharia cartográfica: o Instituto Militar de Engenharia, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a Universidade Federal de Pernambuco, a Universidade Federal do Paraná, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul e a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp.

O Confea, por meio da Resolução 218/73, discriminou as atividades do Engenheiro Cartógrafo. Clique aqui e veja.

O mercado de trabalho para o engenheiro cartógrafo tem oportunidades nas três esferas do poder executivo, em empresas privadas, em instituições de ensino e de pesquisa, em consultorias e no setor de vendas de equipamentos.

Thiago Tibúrcio – Equipe de Comunicação do Confea