Clicky
Marca do Crea-AP para impressão
Disponível em <https://creaap.org.br/noticia_antiga_927/>.
Acesso em 29/06/2022 às 04h40.

ACESSIBILIDADE E AVANÇO TECNOLÓGICO

10 de novembro de 2009, às 10h28 - Tempo de leitura aproximado: 2 minutos

O avanço tecnológico tem estreita ligação com a melhoria de vida de pessoas portadoras de deficiência. Os programas de acessibilidade empenham-se em garantir a integração plena dessas pessoas na sociedade, buscando o acesso à informação e aos locais públicos de maneira cada vez mais autosuficiente. A informática é uma das áreas que tem progredido bastante nas questões de acessibilidade.

Haroldo Veiga, analista de sistemas da Acessibilidade Brasil – associação sem fins lucrativos que apoia ações e projetos que visam à inclusão social e econômica das pessoas com deficiência -, fala sobre o DIRCE, novo programa capaz de gerar e tocar áudio de livros para pessoas com deficiência visual. Segundo o analista, o programa segue o padrão internacional DAISY (Digital Accessible Information System) e, além de ser bastante intuitivo, permite uma boa navegabilidade. “O software lê toda a tela para o deficiente visual; que agora vai poder navegar com o ‘TAB’ e com as setas, pulando páginas ou capítulos, da forma que quiser”, conta.

Ele comenta ainda que o sistema desenvolvido prevê uma educação de imagens e não apenas de texto, como acontece normalmente. “A ideia é que se façam livros falados, não só com texto, mas com imagens e áudio”, explica. Uma impressora de diagramas foi criada e, por meio dela, são impressas figuras com cores e texturas diferentes e suas respectivas legendas. Além disso, ao passar a mão na imagem, o deficiente visual ouvirá o som correspondente ao que está sendo tocado. Por exemplo, numa página com o desenho de uma flor, ao tocar numa pétala, o deficiente visual poderá ouvir o som “pétala”, e, pela textura, conhecer sua forma e cor.

Um dos aspectos negativos continua sendo o custo. Haroldo explica que atualmente, já existem livros em braile, mas os métodos utilizados ainda são artesanais e o custo elevado. “Um livro em braile custa cerca de três vezes mais, ou seja, um livro de 30 páginas, custaria, em média, R$ 900”, explica. Mas, segundo ele, a Associação tem buscado parcerias para disseminar a utilização desses produtos, por exemplo, com o Instituto Benjamin Constant, tradicional instituição de ensino para deficientes visuais no Rio de Janeiro (RJ).

Acessibilidade na 66ª Soeaa

Na 66ª Semana Oficial da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia (Soeaa), que será realizada de 2 a 5 de dezembro, em Manaus (AM), a acessibilidade também será discutida dentro do contexto das inovações tecnológicas e da realização da Copa de 2014, para a qual há expectativas de construções de grandes obras. O Sistema Confea/Crea – responsável pela fiscalização do exercício profissional de engenheiros, arquitetos, agrônomos, geólogos, geógrafos e meteorologistas, além de técnicos e tecnólogos – tem buscado desenvolver mecanismos para verificar de forma mais eficaz a adequação à nova legislação brasileira de acessibilidade.

Saiba mais sobre a 66ª Soeaa, no site www.soeaa.com.br

Fonte: Tânia Carolina Machado – Assessoria de Comunicação do Confea